Quinta-feira, 2 de abril de 2020
informe o texto a ser procurado

Notícias / Política

‘Agrotóxico é igual remédio, não se usa por querer mas por necessidade’

Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, criticou ação do PSOL que quer aumentar tributação sobre agroquímicos e tenta desestimular uso do produto nas lavouras

21 Fev 2020 - 11:54
Atualizada em 21 Fev 2020 - 11:56

‘Agrotóxico é igual remédio, não se usa por querer mas por necessidade’

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) adiar a data de julgamento da ação do PSOL que pede a taxação dos agrotóxicos, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, voltou a falar sobre o assunto. Segundo ela, o caso precisa ser amplamente discutido pois trará impacto econômico, principalmente no preço da cesta básica.

A ação do partido pede que os ministros retirem o efeito do trecho do Convênio 100 que permite a redução de até 60% do ICMS em 15 tipos de defensivos agrícolas. A isenção de IPI sobre os defensivos, determinada por decreto federal, também é questionada. 

“Você aumentar o preço dos defensivos agrícolas, não quer dizer que você vai usar menos. Isso é igual remédio, o médico te passa um remédio, aí você olha o preço. Você vai fazer um esforço e pagar por ele. Não é porque ele [remédio] ficou mais barato, eu vou tomar três. Então isso é remédio, gente. O agricultor ele não usa porque quer. Ele usa se é preciso e com a recomendação técnica”, disse.

A ministra questionou ainda o argumento dado pelo PSOL de que se o preço dos defensivos aumentasse, haveria uma diminuição do uso. 

“Eu acho que o mérito do que foi pedido lá [STF] não faz muito sentido porque não é o preço. Não é aumentar o preço. Ah, vai tirar o [desconto do] imposto para aumentar o preço. Sobe o preço, diminui o uso? Eu acho que as ferramentas que nós temos são outras”, comentou.

Liberação de agroquímicos

A ministra lembrou que a pasta trabalha também para liberar produtos biológicos. Segundo ela, o número de registros liberando esse tipo de defensivo tem aumentado. Ela defendeu ainda outros tipos de produção, que usam ou não agrotóxicos.

“A gente tem que levar em conta que o Brasil tem uma tecnologia própria tropical de plantio e que precisa usar defensivo agrícola. Porque o plantio direto… O que nós queremos? Desmatar mais área, abrir mais area pra produzir a mesma coisa ou usar esse sistema aqui de agricultura tropical, que a Embrapa desenvolveu, mas que precisa usar – e não é no alimento, é na planta!”, criticou.

“É na dessecação da vegetação para o plantio – alguns defensivos agrícolas que são importantíssimos pra isso? E que onerariam com certeza se voltar a ser tributado, ter uma reoneração de tributos, é claro que isso vai pra ponta final. Acaba caindo onde? No preço dos alimentos para o consumidor.”

Canal Rural

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
Sitevip Internet