Imprimir

Imprimir Notícia

23 Jan 2020 - 09:55 | Atualizada: 23 Jan 2020 - 09:55

Tereza Cristina debate parceria para a produção de leite na Índia

No primeiro dia de agenda na Índia, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reuniu-se nesta quarta-feira, 22, com a ministra de Indústria e Processamento de Alimentos da Índia, Harsimrat Kaur Badal, e o ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos, Giriraj Singh.

Com a ministra indiana, Tereza Cristina discutiu oportunidade de investimento de empresas brasileiras no setor de processamento de alimentos do país asiático. Os indianos buscam recursos externos para cadeias de frios e redes de varejo, máquinas e equipamentos para indústria de alimentos e cooperação tecnológica. Já o Brasil tem interesse em ampliar a participação nos setores de carne de frango e sucos concentrados.

As duas ministras também conversaram sobre experiências de cooperativismo para aumentar a renda do pequeno produtor rural, bem como o uso exitoso do Plantio Direto, modelo brasileiro que pode ajudar os indianos na agricultura sustentável.

Produção de leite

O ministro da Pesca, Pecuária e Lácteos, Giriraj Singh, destacou a histórica relação entre Brasil e Índia no desenvolvimento da raça de gado Zebu. Ele ressaltou que o país procura parceiros para fomentar a produção de leite. O Brasil pode ajudar por meio do intercâmbio de técnicas de reprodução animal desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Em 2016, o governo indiano e a Embrapa firmaram um convênio para a troca de experiências na área de reprodução animal.

A ministra Tereza Cristina, por sua vez, reforçou o interesse do governo brasileiro em apoiar a implantação e operação de um Centro de Excelência de Produção Leiteira, que ajudará no melhoramento das raças e da produção, além de ajudar no incremento da rentabilidade dos produtores indianos.

Segundo a ministra, outro tema para parceria é a troca mútua de germoplasma (soma total dos materiais hereditários de uma espécie). Hoje, a Índia importa aproximadamente US$ 30 milhões por ano de material genético bovino, sendo 80% dos Estados Unidos. O Brasil busca ampliar a participação nesse mercado indiano, com a venda de material genético das raças zebuínas.
 
 Imprimir